consultoria ambiental

  AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE          (Introdução)

A agricultura é a ciência e a arte desenvolvida pelo ser humano para cultivar a terra. Consiste na exploração racional do solo para a obtenção direta de produtos vegetais, ou indireta, através da criação de animais, para a alimentação ou fornecimento de matéria-prima. Porém devido ao modelo de desenvolvimento e a crescente demanda por produtos alimentícios, a agricultura passou do modelo convencional para o modelo intensivo, onde o cultivo intensivo do solo, utilizando métodos de fertilização e aplicação de defensivos agrícolas. Porém quando aplicados inadequadamente podem acabar exaurindo os recursos naturais e degradando o meio ambiente.
Sendo assim, neste contexto a Consultoria Ambiental tem como objetivo elaborar projetos inovadores, atentando para as questões ambientais, conseguindo desta forma, praticar e incentivar o modelo de agricultura sustentável, através de métodos agrícolas, com técnicas de conservação do solo e de energia, manejo integrado de pragas e consumo mínimo de recursos naturais e insumos, evitando a degradação do meio ambiente e assegurando a qualidade dos alimentos, visando a promoção do desenvolvimento sustentável.

 

SERVIÇOS:

PROJETOS:              ( ver se é necessário texto explicativo p/ todos os temas, pois so coloquei texto nos temas novos e pouco praticados como silvicultura e silvipastoril,  o q vc acha? Todos devem ter texto?)
                       
                        - Projetos de Reflorestamento;
                        - Projetos de APP – Áreas de Preservação Permanente;
                        - Projetos de Silvicultura;
A silvicultura é um conjunto de técnicas aplicadas à floresta com o intuito de conduzir seu desenvolvimento, através de manejo adequado para a composição e crescimento da vegetação para melhor atender aos objetivos do proprietário. É de fundamental importância à sustentabilidade de inúmeros setores industriais na economia do país, exemplos de silvicultura são a floretas plantadas de eucalipto, pinos, seringueira, teca.
- Projetos de Sequestro de Carbono;
                        - Projetos para Sistemas Agrossilvo-Pastoril (SAP);
                        - Projetos para Sistemas Silvipastoril (SSP)
É a combinação intencional de árvores, pastagem e gado numa mesma área ao mesmo tempo e manejados de forma integrada, com o objetivo de incrementar a produtividade por unidade de área

Fotos:             
    

 

 

ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS:

A Consultoria Ambiental desenvolve e aplica técnicas inovadoras para solucionar problemas relacionados a conflitos administrativos internos; desorganização e desmotivação dos funcionários, conflitos de  gerenciamento de produção,  entre outros.

- Empresa Familiar
- Empresa Municipal
- Empresa Estadual
(Tio por favor incluir ou excluir os temas que julgar necessários !!!)

            PROJETOS E PROGRAMAS DE  AGRICULTURA FAMILIAR


A Consultoria Ambiental embasada nos princípios do cooperativismo e com profissional experiente na questão de formação e consultoria técnica cooperativa tem por objetivo promover e aplicar os princípios técnicos do trabalho em equipe, através de: palestras, mini-cursos, seminários, mesa redonda, entre outros, onde desenvolvemos metodologia especifica aplicável para cada cliente, visando principalmente atender as necessidades das Associações, Cooperativas, Sindicatos e demais seguimentos do Agronegócio.

- Formação de Cooperativas e Associações;
- Palestras de Motivação e Trabalho em Equipe;
- Consultoria Técnica;
- Promoção da Agricultura Familiar;
(Tio por favor incluir ou excluir os temas q julgar necessários !!!)

 

            DEFENSIVOS ALTERNATIVOS

Defensivos em geral, são compostos químicos utilizados na agricultura, mais precisamente em lavouras para exterminar pragas, combater doenças e ervas daninha. Podem pertencer a diversas classes como: fungicidas, pesticidas e herbicidas. Contudo se usados de forma incorreta, podem ocasionar prejuízos ao meio ambiente, através da contaminação do solo e da água, causando mortalidade de espécies da fauna, como peixes e aves. Desta maneira, trabalhando na busca por novas tecnologias menos agressivas ao meio ambiente que a Consultoria Ambiental desenvolve projetos de consultoria, palestras e aulas práticas.

                        CAPACITAÇÃO

- Aplicação de defensivos Alternativos;
- Financiamentos de pequenas agroindústrias;
- Tecnologia da fabricação de açúcar e álcool;
(Tio por favor incluir ou excluir os temas que julgar necessários !!!)

 

            CAPACITAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

A Consultoria Ambiental ministra capacitação socioambiental, educação ambiental e o desenvolvimento sustentável, para associações, cooperativas, comunidades, produtores e empresas, que desejam adquirir consciência e entendimento sobre o meio ambiente, onde individualmente ou coletivamente o ser humano capacitado poderá solucionar os problemas ambientais presente e futuros.

                        CAPACITAÇÃO          (só para entender, capacitação é igual a palestra)

- Preservação do meio ambiente
- Motivação Ambiental;
- Energias Alternativas;

        • - Biodiesel;
        • - Biodigestores;
        • - Energia Solar;
        • - Energia Eólica;

                        - Descarte de Agrotóxicos
- Tríplice lavagem de embalagens usadas;
- Descarte de resíduo e lixo rural;
- Manejo e Uso do solo;
- Sistema produtivo do Álcool
- Produção;
- Beneficiamento;
- Comercialização;      
(Tio por favor incluir ou excluir os temas que julgar necessários !!!)

PROJETOS PARA FINANCIAMENTOS:

 

Capacidade Produtiva - Agropecuária e Indústrias

                        Agropecuária

  • Gastos e tratos culturais no setor agropecuário, até a primeira colheita/safra, desde que associados aos investimentos fixos destinados a implantação de culturas.
  • Usina de açúcar e/ou álcool ou com o o produtor integrado a uma usina (apoio indireto automático).
  • Bovinocultura de corte, quando se destinar à produção de bezerros.
  • Aquisição de matrizes e reprodutores, somente quando vinculada a projetos de investimento.
  • Formação ou reforma de pastos, somente quando vinculada a projeto de investimento.
  • Investimentos em empreendimentos que dependam da madeira como principal matéria-prima, condicionado a que esta madeira seja proveniente de floresta plantada; caso a madeira seja proveniente de mata nativa, condicionado à existência de Plano de Manejo Florestal Sustentável, aprovado pelo órgão ambiental competente, e à Certificação Florestal ou Certificação de Cadeia de Custódia, emitida por órgão independente, com credibilidade pública.
  • Investimentos em empreendimento associado à exploração de vegetação primária ou de espécies nativas, condicionado à existência de Plano de Manejo Florestal Sustentável, aprovado pelo órgão ambiental competente, e à Certificação Florestal, emitida por órgão independente, com credibilidade pública.
  • Investimentos relativos a florestas plantadas, realizados pela Beneficiária ou por produtores rurais integrados vinculados a seus programas de investimentos florestais, condicionado ao licenciamento ambiental pelo órgão competente.

Indústria

  • Projetos de ampliação da capacidade produtiva, implantação, recuperação, modernização e otimização de unidades industriais.
  • Projetos de investimento e capital de giro associado, observado que será objeto de apoio a parcela de capital de giro associado calculada em função das necessidades específicas do empreendimento.

(Tio, por favor, excluir as linhas que vc vai querer trabalhar!!!)

Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária - PRODECOOP

  • estudos, projetos e tecnologia;
  • obras civis, instalações e outros investimentos fixos;
  • máquinas e equipamentos nacionais novos credenciados no BNDES e inerentes à produção/beneficiamento da cooperativa;
  • despesas pré-operacionais;
  • despesas de importação, em moeda nacional, vinculadas à importação de equipamentos;
  • capital de giro associado ao projeto de investimento, observados os limites do BNDES Automático;
  • capital de giro não associado a projetos de investimento;
  • treinamento;
  • integralização de cotas-partes vinculadas ao projeto a ser financiado; 
  • máquinas e equipamentos nacionais novos credenciados no BNDES, também de forma isolada, quando destinados à modernização no âmbito dos setores e ações apoiados pelo Programa. 

Setores/Ações Apoiáveis 

  • industrialização de derivados de oleaginosas;
  • realocação de plantas de processamento de oleaginosas;
  • industrialização de carnes e pescados;
  • instalação e modernização de unidades de beneficiamento, padronização e processamento de frutas, legumes, hortaliças e dos setores de sucos e vinhos;
  • implantação de indústrias para o processamento de ovos, de incubatórios e de matrizeiros integrados à indústria, destinados à produção de ovos férteis voltados à produção de carne de aves;
  • instalação de novas plantas industriais para o setor lácteo ou a modernização industrial e logística desse setor;
  • implantação de indústrias de moagem de cereais, via seca e via úmida;
  • industrialização de couro semi-acabado e acabado;
  • implantação, expansão, modernização e adequação de fábrica de rações;
  • industrialização de mandioca e seus derivados;
  • implantação de unidades industriais de cacau, chás e mate;
  • implantação ou ampliação de maltearias;
  • instalação e modernização de unidades industriais para a produção de cafés torrado, solúvel e de bebida superior, contemplando equipamentos de benefício e rebenefício, desde que se trate de projeto voltado para exportação;
  • implantação, modernização e realocação de plantas de beneficiamento de algodão, de seda e demais fibras naturais, assim como as suas unidades de fiação, tecelagem e estamparia;
  • implantação, modernização e realocação de plantas de beneficiamento de algodão, unidades de fiação, tecelagem e estamparia de algodão;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades armazenadoras;
  • instalação de unidades e de sistemas de beneficiamento, padronização, acondicionamento e logística para a exportação de produtos agropecuários;
  • implantação de sistemas para geração e co-geração de energia e linhas de ligação, para consumo próprio, como parte integrante de um projeto de agroindústria;
  • implantação, conservação e expansão de sistemas de tratamento de efluentes e de projetos de adequação ambiental, inclusive aquisição de equipamentos para essa finalidade, em todos os tipos de unidades agroindustriais;
  • implantação, conservação e expansão de sistemas de tratamento de efluentes e de projetos de adequação ambiental, inclusive reflorestamento e aquisição de equipamentos para essa finalidade, em todos os tipos de unidades agroindustriais;
  • implantação de indústria de fertilizantes por parte cooperativas agropecuárias;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades armazenadoras e de sistemas de beneficiamento, padronização, acondicionamento e logística para comercialização, interna e externa, de produtos oriundos da floricultura;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades de beneficiamento de sementes (UBS), contemplando a instalação, ampliação e modernização de laboratórios e unidades armazenadoras;
  • frigoríficos de suínos e respectivas unidades de produção de leitões (UPL), quando vinculados à própria indústria ou cuja cooperativa esteja vinculada a uma cooperativa central com capacidade para industrializar os suínos oriundos destas UPLs;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades de produção aqüícola, contemplando construção de tanques, laboratórios, equipamentos de aeração e demais itens de infraestrutura;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades de beneficiamento, padronização e processamento de cachaça;
  • projetos de adequação sanitária, inclusive a aquisição de máquinas e equipamentos para essa finalidade, em todos os tipos de unidades agroindustriais;
  • instalação, ampliação e modernização de unidades industriais para a produção de álcool, açúcar e biodiesel; 
  • beneficiamento e processamento de materiais originários de florestas plantadas;  
  • beneficiamento e processamento de produtos oriundos da apicultura.
  • Apoiar o desenvolvimento da agropecuária irrigada, sustentável econômica e ambientalmente, de forma a minimizar o risco na produção e aumentar a oferta de alimentos para os mercados internos e externos; 
  • Ampliar a capacidade de armazenamento das propriedades rurais;

Itens Financiáveis

  • Investimentos fixos ou semifixos relacionados com todos os itens inerentes aos sistemas de irrigação, de armazenamento e de proteção de pomares contra os efeitos  do granizo, inclusive as cercas de sustentação dessas estruturas, contemplando implantação, ampliação, reforma ou recuperação, adequação ou modernização desses itens, de forma coletiva ou individual.

CONTROLE DE PRAGAS (Introdução)

 

                        FORMIGAS

            As formigas cortadeiras são insetos encontrados exclusivamente nas regiões tropicais e subtropicais das Américas. Estas formigas são praticantes do mutualismo, onde cultivam ativamente seu fungo, fornecendo fragmentos vegetais frescos e controlando organismos indesejados.
As formigas cortadeiras compreendem 2 gêneros; Atta e Acromyrmex; são capazes de desfolhar uma laranjeira inteira em menos de 24 horas. No Brasil, as do gênero Atta são conhecidas popularmente como saúvas e as Acromyrmex como quenquéns, dependendo da espécie, a população de um ninho adulto pode conter milhões de indivíduos.
Os ninhos adultos da formigas cortadeiras do gênero Atta, são verdadeiras maravilhas de engenharia, com centenas de câmaras subterrâneas distribuídas em até 6 ou 8 metros de profundidade. Externamente, o monte principal de terra pode ter até 2 metros de altura e os montes secundários podem estar espalhados a metros do principal.

            - Prejuízos e Perdas Econômicas

As formigas saúvas, cortando folhas de plantas, inclusive as cultivadas, causam perdas econômicas vultosas à agricultura e à pecuária, porque diminuem ou aniquilam a produção ao cortar plantas como: milho, plantação de algodão, plantas de jardim, florestas plantadas como os eucaliptos, florestas em área de reflorestamento e também pastagens, ocasionando assim sensível redução na engorda do gado e na produção do leite.
Em regiões de produção agrícola, implantação de projetos florestais ou mesmo plantio de florestas silviculturais, as formigas cortadeiras são combatidas permanentemente deixando de causar prejuízos ou mesmo perdas econômicas. Todavia, caso não se proceder com o controle das mesmas, a produção pode ser reduzida a metade, inviabilizando a exploração econômica praticada neste solo ou nesta área.

                        - CIP – CONTROLE INTEGRADO DE PRAGAS

O conceito mais moderno e avançado atualmente no controle de pragas e que melhores resultados proporciona, é denominado “Controle Integrado de Pragas”. Este conceito pressupõe a indicação e adoção de uma série de medidas preventivas destinadas a evitar a instalação e proliferação de pragas num dado ambiente.
Este mesmo conceito também prevê a adoção de medidas para a eliminação das infestações existentes, através da seleção e escolha de formicidas adequados e métodos complementares de aplicação, proporcionado assim o controle sistêmico e preventivo nos diversos empreendimento.

 

                       

                        - O Controle

            Com base no estudo da biologia destas pragas e na respectiva experiência profissional dos nossos técnicos, a Consultoria Ambiental desenvolve projetos e planos específicos de controle. Proporcionando aos clientes, uma solução eficiente e economicamente viável ao controle de formigas cortadeiras nos diversos seguimentos do agronegócio, da agroindústria e da indústria, como também, em loteamentos, propriedades rurais, projetos de silvicultura, projetos de reflorestamento, entre outros, sempre visando à sustentabilidade econômica dos empreendimentos sem contaminar e/ou acometer o meio ambiente.

            - O CIP consiste de um Complexo Plano de Controle, organizado da seguinte forma:

                                   - Levantamento e Vistoria in loco da Área a ser tratada;
                                   - Diagnostico da quantidade de metros quadrados a serem tratados;
                                   - Receituário Agronômico, recomendando a quantidade formicida;
                                   - Metodologia de Aplicação;
                                   - Período de controle;
                                   - Custos Operacionais;